Google Translator

sexta-feira, 24 de agosto de 2007

Energia atómica em Cabo Verde?

O problema: a fragilidade de Cabo Verde no que diz respeito ao fornecimento de energia, factor essencial ao desenvolvimento, devido: 1) à natureza da nossa matriz energética actual (assente no petróleo), que nos deixa extremamente vulnerável à flutuação dos preços deste produto no mercado externo; 2) ao sucateamento e ineficiência do nosso parque de produção (digo, Electra...), que se reflecte no preço e na instabilidade do fornecimento; 3) ao facto de estarmos espalhados em ilhas, o que cria problemas de multiplicação de custos logísticos.

O debate:
a) De um lado, os que começam a defender a energia atómica como uma solução eficiente (melhor relação custo/benefício) para Cabo Verde;
b) De outro lado, os que são contra, dado aos riscos que esta solução apresenta;
c) Ainda numa faixa intermédia (ou justificando a opcção b), os que defendem a exploração de energias renováveis.

Este debate é pertinente e interessa-nos a todos. A nós e aos nossos filhos e netos. E você, o que pensa sobre isso?

6 comentários:

João Bosco disse...

Valeu Paulino, por levar esta questão. Abraçe vc também esta causa. Tomara que a sua opinião seja em prol das "energias limpas", para que as "estórias" que vc conte continuam sendo de coisas boas da nossa terra. Existe um problema de deficiência de oferta de energia, que pode e deve ser solucionada. Que a nuclear seja a última dessas soluções a serem analisadas, como tem sido em outros países, em outras realidades...

João Bosco

Paulino Dias disse...

Alô, João Bosco, qui tal?

Meus parabéns pelo excelente artigo sobre a matéria. Precisamos realmente reflectir um bocado sobre isso, dadas as implicações económicas, financeiras e principalmente ambientais que as diversas soluções acarretam.

Acabo de ouvir na rádio que a Electra vai implementar até finais de 2008 um ambicioso programa de distribuição de energia eólica, que vai aumentar a taxa de penetração desta alternativa para 17%. Oxalá avancem com a idéia!!

Abraços,
Paulino

João Bosco disse...

...A energia eólica é uma das alternativas promissoras e conforme noticiado, eles devem avançar com estudos para implementação de outros parques em outras ilhas. Tenho acompanhado notícias de sucessivos apagões especialmete na cidade da Praia. Confesso que vejo uma maior preocupação (de orgãos de comunicação social, opinião pública, etc ...) na busca de culpados pela crise, do que discussões em torno das soluções. Além das alternativas promissoras como é o caso da eólica e solar, acredito muito em investimentos planejados (não olhando somente o cresimento da demanda, mas tb as vocações turísticas de cada pedaço do país ...), e também em programas de incentivo ao uso eficaz da energia. É uma experiência que tem dado certo aqui no Brasil e os números mostram que a eficiência energética pode e deve ser considerada como coadjuvante de peso na solução do problema de energia no mundo moderno.

Paulino Dias disse...

Bosco, vou deixar-te um desafio, como homem da área: escrever um artigo demonstrando cientificamente a viabilidade de outras alternativas de energia para Cabo Verde, topas? Além da eólica e da solar, estou a pensar também no biodiesel à base da purgueira, por exemplo. Já se ouvem rumores sobre isso mas nada de concreto, palpável.

Seria uma excelente contribuição para este debate.

Abraços,
Paulino

P.S. - sei que dividiste apê com o Olavo em São Carlos. Dê uma olhada no seu blog (veja link "Veredeas" na minha página)

João Bosco disse...

Paulino,
As alternativas solar e eólica são promissoras devido a abundância de sol e vento em CV, além das vantagens em termos ambientais e na redução da dependência de combustíveis fósseis. Eu não tenho em mãos dados técnicos que me permite de imediato um estudo de viabilidade técnica ou económica. Por exemplo, no caso da eólica, um estudo científico requer o levantamento rigoroso da velocidade e regime dos ventos no local, levantamento do potencial da região, estudos de impacto ambiental visual e sonoro, estudos de impacto na qualidade de energia, estratégias de controle e integração das centrais eólicas na rede elétrica, viabilidade económica, etc, etc ... Portanto assuntos específicos que dariam uma série de artigos.
No entanto, em caso de haver viabilidade técnica, defendo todas as alternativas que apresentarem os menores impactos ambientais possíveis como é o caso do solar, eólica em comparação com a alternativa nuclear.

Anónimo disse...

Paulino estas fazendo um bom trabalho, o seu blog trás atona assuntos interessantes e importantes, pelo que eu li da discussão o João Bosco é um cara do contra....... ou seja tudo pra ele não vale pena e sempre tem que contestar algo.Mas ele deveria voltar para Cabo Verde para tentar pelo menos solucionar ou ajudar a solucionar alguns problemas da energia em cabo verde ........ não ficando de fora contestando o trabalho árduo das pessoas que estão fazendo algo para o pais.....