Google Translator

segunda-feira, 5 de novembro de 2007

E por falar em caminhadas...

... noutras ilhas também se fazem caminhadas, galera! Especialmente na minha, Santo Antão, marcada por uma orografia que nos permite momentos únicos e vistas de tirar o fôlego. Leiam aqui a caminhada do Benvindo, do www.sinta10.blogspot.com
.
Benvindo, uma sugestão de trajecto em SA: de Tarrafal de Monte Trigo a Ponta do Sol, passando por Norte, Ribeira da Cruz, Figueiras, Rª Alta, Cruzinha e Fontaínhas. A região mais montanhosa de todo o arquipélago, sem dúvida, com uns pontos de fotografia ímpares. Grau de dificuldade: média. Podes fazê-lo em 5 dias.
.
Outro trajecto interessante (este mais curto): Corda/Xoxô, passando por Losnã. Quando nos encontrarmos em Santo Antão, prepare a mochila e a máquina, vamos combinar algumas caminhadas. Sugestão: fazer o percurso inverso ao que fizeste, iniciando em Vila das Pombas, subindo ao longo do vale do Paúl até Cova, e descer no outro lado, em Rabo Curto (Ribeira da Torre), passando ao lado do local onde o avião embateu. Qui tal?
.
Célia, fica aqui também o convite/desafio, de levarmos um dia os "Caminheiros Sem Fronteira" de Santiago para Santo Antão, ok?
.
Um abraço,

3 comentários:

BCN disse...

Caro Paulino, esta primeira sugestão é da pesada! Confesso-te que fazer esse trajecto tornou num sonho meu desde que lera há alguns anos uma descrição dessa aventura (penso que escrita por ti, já não me lembro) É claro que a logística é outra, mas de certeza que um dia vou fazê-la.

Quanto a 2ª sugestão, por pouco não o fiz há dois anos. Mas será para breve, se tudo correr bem.

Terei todo o prazer em partilhar contigo umas caminhadas na ilha.

Um abraço santantonense, ou melhor, sintadezense

Pedro Cardoso disse...

Obrigado Paulino por me guiares, à distância de um continente, pelos trilhos desse Cabo Verde que aprendi a amar durante o tempo que aí vivi. Um grande abraço desde Luanda.

Paulino Dias disse...

Alô, Benvans,
Realmente já fiz este trajecto há uns 3 anos, junto com o Orlando Freitas e o Dindim de Celeste, e fui eu quem escreveu o artigo na altura. Mas estou disposto a repetir a dose!
Fica então combinado.

Alô, Pedro,
Valeu pela visita ao blog, espero que esteja a correr tudo bem contigo lá em Luanda.

Um abração,
Paulino