Google Translator

quinta-feira, 18 de janeiro de 2007

Requiém para Péd Palinha

"Péd Palinha ka tem terra lá oi oi, Péd Palinha ka tem terra lá..." - assim gozávamos contigo escondidos atrás das moitas de bananeira de Nhô Móne Qüina, quando fazias a curva à frente do portão da nossa casa. E fugíamos de seguida na tal correria moleque de menino mufino, ante teu olhar que nos crucificava num significativo silêncio, a frase por dizer, o palavrão por concluir, o queixume que ficava suspenso no lento abanar da cabeça que te acompanhava até a esquina da casa de Nhá Joana de Rosa.
.
Péd Palinha ka tem terra lá. E ajeitavas a carga de comida-de-bicho que equilibravas no cocoruto da cabeça, a enxada debruçada no ombro esquerdo e a baínha de pele de cabra na cintura, onde guardavas a tua faca de cabo de madeira envelhecida, companheiro inseparavel das horas lentas nas ladeiras de Ribeira da Torre. Bô ká tinha terra lá, Péd Palinha. A tua terra, levou-a a emigração para São Tomé quando moço ainda, onde deixaste a tua juventude e teu quinhão de sangue e estória, levou-a as voltas deste mundo em volta do teu olhar perdido na distância que só tu pressentias. Péd Palinha ka tem terra lá! Mas tinhas a tua mulher Jóna Tosa com o seu jeito peculiar de substituir o "c" e o "q" pelo "t" nas palavras - óli tuztuz teeeeente (e o binde de cuscuz a fumegar na bandeja de manhã de domingo nas veredas de Fajã...). Tinhas os teus meninos-homens e meninas-mulheres que Deus te deu ao longo dos anos, tinhas a tua enxada e o dia-de-trabalho nas terras de Nhô Miguel Costa, Nhô Domingos de Júlia d´Ana, Nhô Jon d´Sençon, meu velho...
.
E à boquinha da noite, entre dois grogues temperados com estórias e anedotas ali no botequim do Nóne, dedilhavas gaiatices num cavaquinho imaginário que se adivinhava encostado ao teu peito ilhéu, a ponta dos dedos percorrendo as costelas do teu lado direito como se cordas retesadas alimentando tua e nossa sede de música. Lembro-me que fechavas os olhos enquanto cantavas, Péd. Quem sabe sonhando com o teu pedaço de terra que Deus haveria de te dar um dia!
.
Das roças de São Tomé trouxeste a medida exacta do tempo perdido e do fim desta secular ilusão nossa de terra longe. Trouxeste o dorso vergado pelos sacos de cacau e pela tal saudade que corrói a alma e os sonhos, trouxeste os palavrões na língua de Sont´mê que nos ensinavas ali na Bordeira de Fajã, nós, meninos ainda sedentos de outros mundos que teus olhos já tinham acariciado com avidez. E trouxeste o teu destino reencontrado no lombo da enxada noutras terras que não as tuas, porque Péd Palinha ka tinha terra lá...
.
Péd Palinha ka tem terra lá - cantávamos em uníssino por detrás das bananeiras de Nhô Móne de Qüina nos anos longínquos da minha infância. E agora que o Pina me diz ao telefone que te foste nesta tarde magoada de Dezembro, digo a mim mesmo que finalmente já tens terra, Péd. A TUA terra, a terra que te perseguiu desde as roças de São Tomé aos precipícios das rochas da ilha, desde o nascer do Sol ao cair da noite com o teu cavaquinho imaginário encostado ao peito. Vou dizer ao Gilson e ao Jôn Bunita e ao Cai de Mari d´Jóna que já não vamos poder cantar nunca mais que Péd Palinha ka tem terra lá, porque Péd Palinha agora tem a sua própria terra. Que a TUA terra te seja leve, Péd!
.
Péd Palinha já tem terra lá, oi oi, Péd Palinha já tem terra lá...

3 comentários:

paulo disse...

Caro Amigo,
Parabéns pelo teu blog e força.
Vemo-nos na sequencia.
Paulo Lima

BCN disse...

Pois é, Paulino
Ribeira da Torre e a ilha perdem mais uma das figuras castiças que nunca mais se apagará da memória de todos quantos tiveram o privilégio de conhecer o Péd Palinha.

Lembro-me agora de algumas pirraças do Péd que pude presenciar. Por exemplo, certo dia, na celebração de uma missa, Péd estava na igreja, encostado a uma parede. Quando se começou os cânticos, por altura da comunhão (tmá hóstia), Péd pega no seu "violino" e começa a acompanhar os cânticos. Era só ver a entrega do homem que, enquanto fazia cada nota com a mão esquerda, ia "serrando" com a mão direita com um entusiasmo tal que fazia lembrar Nhô Kzic. De repente todos começam a reparar no Péd, e ele, com aquele senso de humor característico, volta-se para alguns fiéis que estavam atrás dele e murmura: oía cara duns esfomeód, sô pe tmá um ustinha ê preciso ês ranjá tud ess dzespér?! Aaamô, lá tem pe tud gent, om!!"
Eu e minha irmã, que acompanhávamos tudo, quase que arrebentámos às gargalhadas perante a blasfémia do Péd.

Outro dia, estávamos a jogar lá no campo de Lugar de Guene e ele passava na estrada, vindo de baixo. Toda a gente começa a gritar “Péd Palinha ca tem terra lá”. Era um coro de vozes incontáveis a gritar e o homem, serenamente, ia passando sem dar “trela a ninguém”, para a nossa surpresa. Quando ninguém já acreditava no sucesso dos insultos, eis que Péd, sem retirar a cara do chão, sentencia em voz bem alta: “enquanto os cães ladram, a caravana passa”. E a rapaziada ficou de queixo caído, enquanto o insultado seguia o seu caminho tranquilamente.

Triste ver partir personagens como Péd Palinha!

Continua, Paulino
Um abraço

Anónimo disse...

Obrigadão, Benvans! Olha, eu nao conhecia estas e já me fartei de rir!!!!

Abraços,
Paulino